Marcelo FreixoDeputado Estadual

marcelo_freixo2
  • Nome completo: Marcelo Ribeiro Freixo
  • Data de nascimento: 12/04/1967 (50 anos)
  • Estado civil: Divorciado
  • Naturalidade: Niterói (RJ)
  • Escolaridade: Superior Completo
  • Ocupação: Professor de ensino médio
Endereço: Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro Rua Dom Manoel, s/n - Centro/RJ Prédio anexo - Gabinete T-04
Telefone: (21) 2588-1268
Email: marcelofreixo@alerj.rj.gov.br

Perfil

“A luta política é pedagógica” Marcelo Freixo

Ao definir a política como luta pedagógica, Marcelo Freixo revela sua opção pela transparência, diálogo e ação na sociedade. Não é à toa que a prática na militância por direitos humanos começou cedo. Aluno da graduação de História da UFF, em 1989, Freixo viu um cartaz que oferecia vaga para um projeto no sistema penitenciário. O rapaz do Fonseca, subúrbio de Niterói, ingressou de cabeça nos presídios para ensinar com base na educação popular de Paulo Freire. Logo percebeu que há um pouco de cada comunidade do Rio de Janeiro nestes espaços de privação de liberdade, e sua luta em busca da cidadania dos moradores de favelas se fez inevitável. Desse modo, a interlocução com o debate mais profundo sobre políticas públicas essenciais para a população e a ineficácia do Estado em garantir direitos se tornaram pautas prioritárias de sua ação.

O primeiro mandato parlamentar de Marcelo Freixo como deputado estadual, iniciado em 2007, foi marcado pela realização da CPI das Milícias. A investigação, iniciada em 2008, resultou no indiciamento de 225 envolvidos e na proposição de 58 medidas concretas para acabar com a máfia. A CPI, que lhe rendeu ameaças contra sua vida, serviu de base para o roteiro do filme Tropa de Elite 2, cujo personagem Diogo Fraga foi inspirado na história de Freixo.

Ainda em 2008, é destaque a atuação destemida na denúncia de fraude no auxílio-educação na Alerj, que levou à cassação das deputadas Jane Cozzolino e Renata do Posto. Além disso, Freixo apresentou o pedido que resultou na cassação do deputado e ex-chefe de Polícia Álvaro Lins, acusado de lavagem de dinheiro. O parlamentar assumiu a presidência da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Alerj para o biênio de 2009/2010, cargo que mantêm atualmente.

Em 2011, já no segundo mandato, presidiu a CPI do Tráfico de Armas e munições no Rio, que propôs 69 ações para aumentar o controle e a fiscalização dos arsenais públicos e privados no estado. Em 2012, o parlamentar pediu abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito para apurar as relações suspeitas entre o governo estadual e a empreiteira Delta. Ainda neste ano, Freixo se candidatou à prefeitura do Rio de Janeiro e sua campanha, que contou com amplo apoio da juventude e da classe artística na “Primavera Carioca”, levou-o ao segundo lugar do pleito, com cerca de 30% dos votos.

Freixo priorizou em seus mandatos a interlocução direta com os movimentos sociais, servidores públicos e juventude. O resultado dessa parceria se consolidou com a aprovação de leis que tiveram efeito imediato na população, como a criação do Mecanismo e do Comitê de Prevenção e Combate à Tortura e a criação do cadastro estadual de crianças e adolescentes desaparecidos. Além disso, por conta de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) de Freixo, foi ampliado para seis meses o aleitamento materno das servidoras estaduais. Tais conquistas só foram viáveis pelo fato de terem sido pensadas, debatidas e organizadas com a participação ativa dos movimentos sociais, dos servidores e da juventude.

Após ser referendado com mais de 350 mil votos para a reeleição de deputado estadual, no pleito de 2014, Marcelo Freixo segue na Alerj como o parlamentar mais votado do Rio de Janeiro e do Brasil. O mandato tem o desafio cotidiano de enfrentar o conservadorismo e o governismo característicos da Assembleia Legislativa. Em meio à crise de representatividade, Freixo se mantém convicto de que o trabalho parlamentar deve primar pela transparência, coerência e responsabilidade com as demandas da sociedade. Porque a política é uma luta pedagógica.

COMISSÕES DE QUE FAZ PARTE

Presidente da Comissão dos Direitos Humanos e Cidadania

Transparência

Equipe de gabinete

Celia Barbosa de Albuquerque – Chefe de Gabinete
Leandro Haua de Lima – Coordenação do Mandato
Marielle Francisco da Silva – Coordenação do Mandato / Comissão de Direitos Humanos
Roberto Pedro K. de A. Gevaerd – Coordenação do Mandato
Tomas Fernandes N. Prisco P. Ramos – Coordenação do Mandato
Bruno Villa de Santana – Coordenador de Comunicação